A calm within an abyss.

Estranhamente, este clima de primavera faz de mim uma pessoa muito de bem consigo mesma.

É como se uma narrativa adquirisse um hiato entre ela.

Pausado,

Mas nunca silenciado.

Isto causa algo que nomeio:

O ato infindável de ser.

De estar.

E de permanecer.

Palavras silenciosas nunca deixam de falar.

E nunca deixariam-me expressar como fico com vocês.

Primavera, você faz comigo o que fazem com um saco de pancadas. E me abre ao externo e eu mesmo.

Será a hora de dizer aos ventos gentis da criação, obrigado, hora de nos deixar correr juntos?

Ou de tomar posse,.

…?

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s