Tenho uma chama,

Uma faisca que se incendiou

a partir de uma tempestade.

Chama que queima,

chama que esquenta

Chama que flamúla,

chama que estimula.

Chama que chama.

Nunca tinha entendido a sua voz,

em meio aos muitos berros

dos dois eus.

Essa chama é vontade

vontade desesperada

inquieta e insaciável

de realizar,

e de ser.

Concentro essa chama porquê lembrei da dor de perder.

Concentro essa chama pela vontade de manter,

Eu e você, atados.

Queima, queima e queima.

Minha vontade,

meu ser,

Cozinhe o que eu pretendo ter.

Cozinhe esse recipiente.

E exploda. Incinere,

Queime, Imole.

Você é sinal não só de raiva,

ou de agressividade espontânea.

Você é sinal de um eu que perdi, deixei de lado.

Por medo de causar dor, da dor que causei em mim mesmo.

Portanto me queime.

Me queime, e faça mais uma vez

Eu reconstruir esse castelo de cartas

do eu. Do nós.

Pedro-Unkz

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s