Minha agonia é de saber.

Eu “sei” demais,

sei tanto que me ilude diante do pouco que sei.

Eu sei o que as pessoas a minha volta pensam,

eu sei o que as pessoas a minha volta veem,

e eu sei o que elas fazem.

Então me fecho num mundo que nega, nega e renega tudo isso.

Como se fosse… uma piscina de sal, muito leve. Muito oxigenada.

Ela não me deixa nada até o topo,

então afundo, afundo afundo afundo

e afundo.

Eu nesse momento reflito sobre tudo.

Tudo o que possa ter feito eu afogar parte de eu mesmo

que possa ter ignorado partes dos outros em mim.

E lembro de promessas.

Lembro das memorias,

e lembro dos sentimentos.

Estou a margem de mim mesmo, e não respondo.

Estou a margem de minha existência, e não me reconheço.

Estou a margem do meu contexto, e não me veêm.

Estou a margem de ser, e não sou.

Eu quero ser.

Eu quero ser.

Eu quero ser.

E eu quero saber.

Saber pelo não saber,

não saber das manhãs preguiçosas das pessoas vespertinas

das noites fervorosas de jovens libidinosos

das imbecilidades de um egoista

das generosidades de uma pessoa sensível

da vocalidade de um falador…

Eu quero.

Eu quero.

Eu quero.


 

Eu quero mais eu nas pessoas, ASSIM COMO QUEREMOS

e eu quero mais gente em mim. ASSIM COMO FAZEMOS

tempo para você ASSIM COMO CONVIVEMOS

em mim. Assim, você.

 

Advertisements

Eu sou muito mais duro do que figurava.

Agora vejo o quão straightforward posso ser. É meio estranho, fico com a impressão que sou bem exagerado.

Em tudo.

Sentimento, calor, em intenção.

Será que sou assim mesmo em relação a outros? Não sei.

Mas straightforward… Agora vejo.

Saber ou não saber,

isso não é algo a ser reinvindicável por alguem como nós.

Corpo coletivo. corpo de muitos.

Saber é algo que opera numa esfera de que se julga,

e se é julgado.

Nesse espaço, esse invervalo

de realidade como juiza

esse apito… não podia ser mais rarefeito quanto névoa.

Não sei. não conheço,

ainda estou para ver quem conhece saber.

Pouco se sabe até do umbigo que habitamos.

Mas conhecer…

essa pegada, depois de uma troca de olhares.

Isso é algo alcançavel…

Porém não sei se atingível com todos.

Pelo menos não eu com você, parece.

Pedro/Unkz

A crossway in lines. Linhas que cruzam.

I’ve always been like this.

This… indulging person who wishes to just be happy.

This someone who just gets lost in his wishes,

and then in hindsight watch he’s been missing it all along.

Just because he couldn’t get off his own damn mind.

This feeling, this warmth…

this is me.

Eu lembro disso, muito bem.

Das risadas com vocês,

dos momentos bons em que estive me sentindo livre

em que estive me sentindo completo.

Eu tenho a chance de ter isso de novo,

e de novo, e de novo.

Isso na época era Unkz, mas na verdade sou eu.

Sou todo eu.

Eu, Pedro sou assim. Um moleque que pensa demais, e nisso perde a ação.

E ai quando sinto esse calor, esse sorriso… Isso me toma conta.

E lá aparece toda a straightforwardness que tenho disponível.

Toda a… chama que considerava como Unkz.

Unkz existe, mas agora é memoria.

Eu sou Pedro e Unkz.

Somos Pedro

Somos eu.

This warmth…

reminds me of you.

And I when we were back together.

Remember, I’ll always love you all.

Even you Bonnie.

 

Unkz/Pedro

When I access my mind like this it turns somewhat into a blank.

It becomes a sort of codex that recites itself on it’s behalf, and willingly hust like that.

It’s not as if I had some sort of filter on top of it, it allows me just to write.

Willingly, and endlessly.

These stories… these feelings

They feel familiar.

And they feel painful,

Especially to someone with a story like mine.

Like ours

I still remember those moments, and I can relate to those insecurities.

That guy…

He’s trying his hardest.

It’s not enough, not to someone like her.

Then it just becomes reason to being mean.

I feel you man.

Keep on, just as I am.

Lembro de como fui.

Um… moleque sem fio de noção do que ocorria em minha volta.

Agora, quando me noto vejo que sinto muito. Sinto muito em sentir coisas e sensações a minha volta.

É uma… Vontade de querer ver mais

Uma vontade de sentir mais.

Que aí quando se derruba,

Vem então, lamento.

Vem então… sofrimento.

Vem então desdém…

traço de um tempo sozinho.

Traços de não estar com alguem sem turbulências.

Não importa quão turvas,

Não importa quando distorcidas.

A trilha guarda contos para mim.

E você? Quais são suas historias que tenho para escutar?

What is with this state of clarity?

I doubt whether or not this is a good thing.

Whether it is emptiness manifesting in yet another way.

I know balance hasn’t been lost. But this instability within Pedro is unprecedented.

It’s about recognizing oneself isn’t it, Pedro?

Unkz

Sinto calores, sinto olhares e nenhum eco em mim

Vejo involucros transparentes nos olhares a minha volta

O toque, incerto. Dúvida de uma vontade genuina

Calma, um traço mais de cansaço e exaustão cotidiana que um lago em repouso.

Que açaí e brisa de mar

Investidos numa mirada pela janela da mente

Estamos cegos. Cegos por nossos próprios corpos.

Incertezas, apatias e invontades.

Eu quero, agora não quer.

E você, já não sabe mais querer.

Eu sei. Eu quero.

Eu tenho.

Pedro